PLAYER 01 WEB RADIO TROPICAL

PLAYER 01 - AUXILIAR DA WEB RADIO TROPICAL

PLAYER PARA ANDROIDE E SAMARTFONA

PLAYER PARA ANDROID E SMARTFONE PARA OUVIR CLICK NO PLAY

sábado, 20 de dezembro de 2014

Três presos por tráfico e assalto em Bom Jesus


17476_drogas64b01a88d8c765614f801ee43a19a54219122014111535_gTrês pessoas foram detidas em Bom Jesus do Itabapoana por envolvimento com o tráfico e assalto no município.
Após denúncia anônima informando que um homem estaria guardando drogas em sua residência, policiais militares apreenderam meio quilo de maconha na noite desta quinta=feira (18) no bairro Lia Márcia, em Bom Jesus do Itabapoana.
A polícia chegou ao local e durante a revista novas informações levaram os PMs a um terreno baldio nos fundos da casa, onde encontraram mais dois quilos da mesma droga. Um homem foi encontrado no imóvel. o homem confessou a propriedade do material.
  • Assalto
  • Um adolescente foi apreendido e um jovem presos suspeitos de assalto a um posto de combustível. Com um dos suspeitos foi apreendido um revólver calibre 32 com duas munições e uma quantia em dinheiro.
  • D.J.S., de 19 anos, e G.A.P., de 15 anos, foram presos quando passavam em frente ao estabelecimento, em uma moto, no momento em que os policiais colhiam informações sobre o crime. Eles tentaram fugir, começando uma perseguição. Em seguida, a moto derrapou e eles caíram. Mesmo depois da queda, os suspeitos correram, e ao tentar pular muros de algumas residências acabaram presos.
  • As ocorrências foram registradas na 144ª DP, em Bom Jesus do Itabapoana.

Mais uma vez carro da Souza Cruz é alvo de assaltantes


souza cruzsouza cruz.jpg2Mais uma vez um carro a empresa Souza Cruz foi alvo de assaltantes. Desta vez, o crime aconteceu na tarde desta sexta-feira (19) no bairro Novo Jockey, em Campos.
De acordo com informações da polícia, dois homens armados e encapuzados renderam um vendedor, um entregador e o dono de um comércio no bairro. Em um carro ainda não identificado, um terceiro comparsa dava apoio para ação dos criminosos.
As vítimas estavam na frente de um estabelecimento para fazer uma entrega. Neste momento, os criminosos se aproximaram e exigiram que todos entrassem no carro da empresa e permanecessem abaixados.
Os homens levaram a van da empresa até a última rua do Novo Jockey e roubaram toda a carga. Os reféns ficaram em poder dos homens cerca de 15 minutos. As vítimas não conseguiram identificar o veículo que deu apoio na fuga.
Após perceber que os bandidos se evadiram do local, as vítimas acionaram a Polícia Militar. A empresa ainda não divulgou o valor do prejuízo. O caso foi encaminhado para 134ª DP/Centro, onde foi registrado.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Grupo que expandia tráfico do Rio para a Serra era chefiado de presídio


Operação Mandrake prendeu 45 pessoas em sete meses de investigações.
Ação teve policial infiltrado que recebeu R$ 16 mil durante este o período.

Mariucha MachadoDo G1 Rio
A Operação Madrake, realizada no início da manhã desta sexta-feira (19) em comunidades do Rio e em Teresópolis, desarticulou uma quadrilha que enviava drogas e armas da capital para a Região Serrana. Segundo o promotor Fábio Miguel de Oliveira, os líderes do Morro da Providência e do tráfico de Teresópolis comandavam o grupo de dentro do presídio, Bangu 3. 
Até o início da tarde, 20 pessoas tinham sido presos e um suspeito morto.
A operação foi realizada pelo Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e da Coordenadoria de Inteligência da PMERJ, com apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência do MPRJ (CSI/MPRJ) e da Polícia Civil.
“O líder do tráfico de Teresópolis está preso junto com o líder da Providência. Eles se juntaram e construíram essa rede. A intenção era expandir o tráfico para a Serra, principalmente Teresópolis”, afirmou o promotor.
“Os nossos telefones não funcionam, mas os presos mesmo com os bloqueios [nos presídios] eles continuam ordenando através de advogados, familiares e até da própria telefonia. Eles continuam tocando essa questão da venda de drogas”, afirmou tenente-coronel Antônio  Jorge Goullart, coordenador da Inteligência da PM.
As investigações da quadrilha começaram há sete meses, quando os policiais do Batalhão de Teresópolis começaram a detectar a presença de criminosos da capital na região. Durante este período, policiais foram infiltrados para ajudar no trabalho para desarticular o grupo.
Quadrilha desarticulada
Segundo o tenente-coronel Antônio Goullart, coordenador de inteligência da PM, a intenção do grupo era claramente expandir os negócios.
“A operação deixa bem clara a tentativa do tráfico de ampliar a rede de venda. Essa operação também mostra que as UPPs representam um grande avanço, nós conseguimos aumentar o terreno fora do domínio deles, mas elas ainda continuam ‘vendendo’ drogas. A gente durante esse tempo controlou as ações [do grupo] e o trabalho foi corado com a desestruturação desta quadrilha, enfraquecemos esse grupo. A quadrilha sofreu um grande baque, eles vão ter que se reestruturar”, afirmou Goullart.
Ainda de acordo com coordenador da inteligência da PM, 45 pessoas foram presas e quatro menores apreendidos durante as investigações, sendo que 20 delas foram detidas nesta sexta-feira. Um criminoso que tentava fugir da polícia caiu do telhado e morreu durante a ação.
O promotor Fábio Miguel de Oliveira afirmou que na medida que as prisões eram feitas, a forma de operar do grupo foi sendo modificada.
“Eles levavam drogas no bagageiro de ônibus, escondida dentro dos carros, montaram kit gás para levar droga pra Teresópolis, pasta base dentro das partes intimas das mulheres. Depois montaram em Teresópolis uma pequena refinaria. Eles remetiam armas também para a região pra enfrentar a PM. O caráter violento da área poderia aumentado lá caso essa operação não tivesse sido feita”, disse o promotor.
Trezentos e cinquenta homens e cem viaturas participaram da operação desta sexta-feira. Foram apreendidos 16 quilos de cocaína, quatro quilos de maconha, três armas (um fuzil, uma pistola e um revolver), 104 munições, R$ 16 mil foram apreendidos durante o trabalho de infiltração, que foram depositados em juízo, R$ 1516 reais durante as diligencias, três carros e 17 motos. A operação Mandrake apreendeu mais droga do que a delegacia e o batalhão ao longo do ano todo, afirmou o promotor.

Italiano é agredido e ex-companheiro é indiciado pela Lei Maria da Penha


Agressão teria ocorrido no hospital, onde vítima se trata de um tumor. 
Caso foi registrado em delegacia e se tornou processo nesta sexta-feira.

Henrique CoelhoDo G1 Rio
Um caso de violência doméstica entre dois homens que moraram juntos por dez anos em Copacabana chegou nesta semana à 13ª DP, em Ipanema, na Zona Sul do Rio. Devido ao longo relacionamento dos dois homens e ao fato de viverem na mesma casa, o delegado Gilberto Cardoso aceitou a aplicação de medidas protetivas de urgência previstas na Lei Maria da Penha, criada para proteger mulheres de agressões. Nesta sexta-feira (20), o agressor foi indiciado por lesão corporal decorrente de violência doméstica e o caso foi levado para o 5º Juizado de Violência Doméstica, onde corre em segredo de Justiça – os nomes não foram divulgados.

O imbróglio foi divulgado nesta sexta-feira (20) na coluna de Ancelmo Gois, no jornal O Globo. Um arquiteto italiano, que mora no Brasil há pelo menos dez anos com um brasileiro, disse que foi agredido diversas vezes pelo ex-companheiro quando avisou a ele que queria se separar. Internado em um hospital da Zona Sul do Rio com um tumor, o arquiteto diz ter sofrido uma tentativa de overdose por parte do ex-companheiro dentro do estabelecimento e que foi fisicamente agredido por ele. Segundo testemunhas já ouvidas pela polícia, ele também teria tentado agredir os médicos.

Entre as medidas protetivas tomadas, estão o afastamento de até 500 metros entre os ex-companheiros, a impossibilidade de o agressor conversar com a vítima, seus familiares e testemunhas, além da proibição de entrar no hospital onde o italiano está internado.

G1 tentou entrar em contato com o suspeito de agressão, mas ele não respondeu às ligações até as 18h desta sexta.

Lei Maria da Penha
A presidente da Comissão de Direito Homoafetivo da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro, Raquel Castro, explicou que, apesar de ser direcionada ao gênero feminino, partes da Lei Maria da Penha podem ser aplicadas em casos específicos envolvendo homens.

"Você pode aplicar a analogia, porque a lei não prevê a violência doméstica entre homens. Mas o fato de eles morarem no mesmo teto durante tanto tempo fez com que alguns advogados e juízes possam entender que algumas medidas protetivas dessa lei possam ser aplicadas nestes casos, envolvendo um casal homossexual masculino", explicou.

Raquel considerou positiva a aplicação de instrumentos da Lei Maria da Penha, criada em 2006 para coibir a violência familiar e doméstica contra a mulher.

"O que os juízes gostam de ressaltar é a ação dos instrumentos da Lei Maria da Penha. Ela foi criada para proteger a mulher. Há a proteção do gênero feminino e a possibilidade de atuação em casos de homossexuais femininos. Existe essa previsão. Em razão disso, alguns advogados começaram a entender que poderia proteger o casal homossexual masculino", finalizou.

Justiça do RJ concede liberdade a mais de 20 PMs presos por corrupção


Ex-comandante do 17ºBPM e o ex-chefe do COE estão entre os libertados.
Entre setembro e outubro, 42 PMs foram presos por atos de corrupção.

Daniel SilveiraDo G1 Rio
O coronel Alexandre Fontenelle Ribeiro de Oliveira foi um dos detidos na operação (Foto: Reprodução/TV Globo)O coronel Alexandre Fontenelle Ribeiro de Oliveira
foi um dos detidos na operação que investigou 
cobranças de propina (Foto: Reprodução/TV Globo)
Mais de 20 policiais militares que foram presos acusados de corrupção no Rio de Janeiro tiveram a liberdade concedida pela Justiça Militar. Entre os beneficiados por habeas corpus estão o tenente-coronel Dayzer Corpas Maciel, que comandava o 17ª BPM (Ilha do Governador) e o ex-comandante de Operações Especiais da PM, coronel Alexandre Fontenelle. Em duas operações distintas, coordenadas pelo Ministério Público, 42 PMs foram presos entre setembro e outubro.
O coronel Fontenelle estava entre os 24 policiais presos na operação Amigos S.A., que revelou um grande esquema de cobrança de propinas a comerciantes, mototaxistas, motoristas e cooperativas de vans, além de empresas transportadoras de cargas na área do 14º BPM (Bangu).

Já o tenente-coronel Dayzer Corpas Maciel foi alvo da operação Ave de Rapina, que levou 16 PMs para a prisão. Todos foram acusados de extorquir dinheiro de traficantes da Ilha do Governador. As investigações apontaram que os policiais chegaram a sequestrar traficantes e exigir resgate de R$ 300 mil, além de vender a criminosos armas apreendidas em ações policiais.

Quatro dos 16 PMs presos na operação Ave de Rapina tiveram a prisão preventiva revogada nesta sexta-feira (19) pela juíza Ana Paula Monte Figueiredo. A magistrada considerou que a liberdade dos acusados não compromete a ordem pública. No entanto, determinou que os quatro permaneçam afastados de suas funções públicos até o término do processo judicial. Até as 20h30 o G1 não tinha confirmação sobre a situação dos demais 12 PMs presos no caso.

Os 19 PMs envolvidos na operação Amigos S.A. que permaneciam presos foram beneficiados por um habeas corpus concedido nesta quinta-feira (18). O habeas corpus havia sido solicitado por cinco réus do caso, entre eles o coronel Fontenelle, e a concessão da liberdade foi estendida pela Justiça aos demais acusados.

O desembargador relator do habeas corpus, Paulo de Oliveira Lanzellotti Baldez, considerou que "a ordem pública, supostamente ameaçada diante da gravidade dos delitos imputados, que de acordo com a autoridade impetrada, envolvem e comprometem a própria instituição policial, pode ser acautelada, por ora, pela suspensão da função pública exercida pelos réus". Assim, ele determinou a revoação da prisão cautelar de todos os réus.

Homem é morto dentro de carro após paquerar mulher na Serra, ES


Vítima estava bebendo com amigos, próximo a um posto de combustível.
Suspeito não gostou da abordagem da vítima e os dois discutiram.

Do G1 ES
Um homem foi assassinado após uma discussão na Serra, Espírito Santo, na madrugada desta sexta-feira (19). Auriomar Nascimento, de 37 anos, estava bebendo com amigos, próximo a um posto de combustível.
Vítima bateu com o carro após ser atingido por vários disparos, no Espírito Santo (Foto: Reprodução/TV Gazeta)Vítima bateu com o carro após ser atingido por vários disparos, no Espírito Santo (Foto: Reprodução/TV Gazeta)
Segundo testemunhas, eles estavam escutando músicas no carro quando a vítima foi conversar com uma mulher que estava no mesmo local, em um outro grupo. Um homem não gostou da forma como Auriomar abordou a mulher e os dois começaram a discutir. Momentos depois da confusão, Auriomar foi embora de carro. Minutos depois, o homem com quem a vítima discutiu deixou o local no próprio veículo.

Ao chegar na Avenida Civit, nas proximidades da BR 101, os dois se cruzaram. Do próprio veículo o homem efetuou vários disparos contra Auriomar. Ele foi atingido com dois tiros nas costas, um no peito e um no braço esquerdo. Outros três tiros atingiram a lateral do veículo.

Ele ainda continuou dirigindo, atravessou a BR e bateu em um muro na lateral da pista, já no bairro José de Anchieta.  A vítima morreu no local. A Polícia Militar está à procura do assassino.
* Com colaboração de Ruhani Maia, do jornal A Gazeta.

Motociclista morre após bater em ônibus na BR-101, no ES


Ao tentar ultrapassar caminhão e ônibus, vítima acabou batendo e caindo.
Pista chegou a ficar interditada, mas já foi liberada, segundo a polícia.

Do G1 ES
Um motociclista de 39 anos morreu em um acidente na BR-101, no trecho que corta o município da Serra, na Grande Vitória, por volta das 15h20 desta sexta-feira (19). A situação envolveu três veículos, sendo uma motocicleta, um ônibus e um caminhão. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, os condutores dos outros dois automóveis não se feriram.
Policiais que atenderam a ocorrência relataram que o coletivo estava parado em um ponto de ônibus na altura do bairro Carapina, no sentido para Vitória, e um caminhão modelo Scania seguia atrás. Um motociclista, ao tentar ultrapassar os dois veículos, acabou colidindo parte do veículo com o ônibus.
De acordo com a PRF, o motociclista se desequilibrou e caiu. Ele morreu no local. O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Vitória. A pista chegou a ficar interditada, mas foi liberada por volta das 19h40, segundo a polícia.