PLAYER 01 WEB RADIO TROPICAL

PLAYER 01 - AUXILIAR DA WEB RADIO TROPICAL

PLAYER PARA ANDROIDE E SAMARTFONA

PLAYER PARA ANDROID E SMARTFONE PARA OUVIR CLICK NO PLAY

sábado, 4 de julho de 2015

O CMPDCA de São Francisco de Itabapoana divulga lista dos candidatos habilitados para participarem de Processo seletivo


O CMPDCA de São Francisco de Itabapoana divulga lista dos candidatos habilitados para participarem de Processo seletivo

A Secretaria Municipal de Trabalho, da Assistência e Promoção Social, através do Conselho Municipal de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMPDCA-, INFORMA que não houve manifestação de impugnação dos candidatos que se inscreveram para participar do Processo Seletivo Unificado do Conselho Tutelar do Município, Gestão 2016/2019.

Copa de Futsal Feminino prossegue em São Francisco



Acontece nesta sexta-feira (03/07), em São Francisco de Itabapoana, a 2ª rodada da Copa São Francisco de Futsal Feminino. Recebendo maior atenção da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, a categoria está tendo o maior evento realizado, até hoje, no município.
A primeira das cinco rodadas que antecedem as fases finais havia sido adiada em virtude do mau tempo, sendo realizada no início dessa semana. Evitando o atraso do cronograma, essa semana recebe ainda a segunda rodada. Da primeira etapa sairão quatro equipes, que disputarão as semifinais e, posteriormente, as finais.
Segundo o secretário municipal de Esporte e Lazer, Noel Júnior, é importante incentivar a prática esportiva de todos os gêneros e faixas etárias. “Além de podermos oferecer saúde e diversão, esperamos revelar grandes talentos nessa Copa. Nos satisfaz muito ver as atletas competindo com garra nessa competição”, destacou o secretário.


-- 
Assessoria de Comunicação

Inauguração da Academia da Saúde em Barra nesta sexta-feira (03)







                Mais investimentos na área da saúde no município de São Francisco de Itabapoana. Nesta sexta—feira(03), às 19h,  o prefeito Pedrinho Cherene vai  inaugurar uma Academia da Saúde na localidade de Barra de Itabapoana. O valor da obra é R$ 256. 764.91, sendo oriundo de recursos próprios da prefeitura em parceria com o Governo Federal.
                O empreendimento contará com sala de acolhimento, sala de vivência, depósito, banheiros e playground. Para a prática de atividades físicas terão os seguintes equipamentos: barra horizontal, barras assimétricas, barras de marinheiro, bancos, prancha para exercícios abdominais, espaldar,  entre outros.
        O prefeito Pedrinho externou a sua satisfação por entregar mais uma obra à população sanfranciscana. “É sempre um momento muito feliz concluir mais um projeto em prol da melhoria de qualidade de vida do nosso povo. Isso nos motiva a fazer muito mais”, destacou.
A Academia da Saúde é localizada na praça, situada no centro da comunidade e estará disponível gratuitamente para os moradores da localidade. Para o uso deverá ser apresentado um atestado de saúde e logo será feito um cadastro.
Outras academias da saúde estão sendo construídas em São Francisco, nas localidades :Ponto de Cacimba e Imburi de Cacimba. A próxima será Santa Clara.

                

-- 
Assessoria de Comunicação

Adolescente assalta mulher e dá tiro para o alto


PM-menormenor-detidomenor-detido1revólver calibre 381revólver calibre 38Um adolescente, de 16 anos,  armado com um revólver, e trajando uniforme descolar, roubou a bolsa de uma mulher e atirou para o alto em pleno Centro da cidade, no início da tarde desta quinta-feira(02), por volta das 13h, causando pânico. Ele acabou detido por populares, na Avenida XV de Novembro, nas proximidades do Campos Shopping.
De acordo com 
estudante-armado1estudante-armadoestudante-armnadoa polícia, o adolescente assaltou a mulher na rua Carlos de Lacerda. Depois disso, entrou em um ônibus que faz a linha Imperial na tentativa de conseguir fugir.
Com a aproximação de populares e de dois bombeiros, o estudante saiu correndo do coletivo e ainda disparou um tiro para o alto.
O suspeito conseguiu atravessar a Avenida XV de Novembro, mas foi alcançado populares e agentes da Guarda Municipal  próximo ao Campos Shopping.
O tumulto causou pânico no Centro e muitas pessoas ficaram assustadas.
Antes de ser capturado, o estudante se desfez da bolsa da vítima. Guardas Municipais detiveram o adolescente e o encaminharam para a 134ª DP/Centro.
Com o menor, os agentes encontraram um revólver calibre 38 e cinco munições, sendo uma 

Denúncias de corrupção chegam ao Porto do Açu


Clique na foto para ampliá-la
Pedreira Sapucaia: BNDES teria finananciado uma pedreira no local em que só foi encontrado barro e nascente de água

Da Redação

Uma pedreira a margem do rio Paraíba, próxima a Usina Sapucaia, que estaria localizada em área da União e que consumiu R$ 30 milhões justificados pela empresa Prumo Logística, proprietária do Porto do Açu, pode ser um dos caminhos para se chegar a um possível escândalo envolvendo financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Apesar do alto investimento que consumiu recursos do banco de fomento, as indícios de agressões ambientais no empreendimento, conforme demonstram fotos áreas cedidas pela revista VIU! Mas isso não é o único problema.

As suspeitas são de que as amostras de pedras apresentadas para justificar os supostos investimentos do BNDES na Pedreira Sapucaia foram extraídas de outra pedreira por um motivo simples: depois da Prumo Logística escavar uma profundidade de mais de 20 metros constatou que não havia pedra para extração na propriedade de R$ 30 milhões.

As revelações fazem parte de uma reportagem exclusiva de O Diário e que a VIU! também estará divulgando nas próximas semanas, com depoimentos, farto material cedido por um ex-funcionário de uma empresa que atua nas obras do porto e ilustradas por imagens áreas captadas pelo Drone Dib's, equipamento fotográfico guiado por controle remoto. "Houve uma negociação em que se pagou R$ 30 milhões pela área que é da União. Eles tinham o intuito de abrir uma pedreira, mas não conseguiram obter as licenças ambientais. Eles chegaram a aterrar uma lagoa e tiraram caminhões de terra do local que nunca produziu uma pedra. Uma empresa de São Paulo fez um laudo que deu negativo. Essa pedreira é inviável. Para justificar o gasto, amostras de outra pedreira foram apresentadas como sendo pedra extraída da área em questão. Montou-se, na verdade, uma fraude para justificar o gasto", afirma J.V., de 34 anos, que atuou como encarregado de transporte e logística pela empresa Tracomal Terraplanagem nos anos de 2012 e 2014.

O ex-funcionário tem documentos que mostram a composição societária da pedreira. A propriedade está em nome da Pedreira é a Sapucaia Indústria e Comércio Ltda., com capital superior a R$ 17 milhões e tem como sócios a G3X Engenharia S.A. (pessoa jurídica), Eugênio Leite de Figueiredo (pessoa física, que atualmente é diretor financeiro da Prumo Logística), a empresa Porto do Açu Operações S.A. (atualmente em recuperação judicial), Marina da Fontoura Azambuja e Eduardo Parente Menezes. A composição societária demonstra o emaranhado que se transformou o empreendimento que já foi apontado como maior Complexo Industrial Portuário da América Latina.

A movimentação na pedreira foi feita pela empresa Tracomal Terraplanagem, que estava sob o comando da Prumo era gerenciada pelo engenheiro Tarcísio Costa Lima, que foi gerente de contratos da construtora OAS Ltda., atualmente envolvida no Petrolão. Tarcisio também consta como diretor da G3X Engenharia SA, que pertence ao grupo EBX, de Eike Batista.

Interessante observar que a pedreira Sapucaia foi criada em 07 de setembro de 2009. Pouco mais de um ano depois, no dia 20 de setembro de 2010, ingressou com um pedido de alvará judicial na quinta Vara Cível de Campos. O objetivo era obter licenciamento para pesquisas minerais, conforme exigência do artigo 27 do código de mineração. O Processo 0029285-452010.8.19.004 aguarda decisão do juiz.

BNDES e o destino dos R$ 8,8 bilhões

O ex-funcionário da Tacomal questiona o destino que foi dado ao montante de R$ 8,8 bilhões que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) liberou em forma de empréstimo para fomentar a instalação e desenvolvimento do projeto do empresário Eike Batista, o então Complexo Portuário do Açu. Inicialmente, esse dinheiro seria utilizado, entre outras finalidades, para financiar a instalação de empresas na retroarea do porto, o que segundo João não aconteceu. Ele diz que após inúmeras promessas, as poucas empresas que tem instalações e que operam no Porto (11 segundo a Prumo Logística), utilizaram recursos próprios e não receberam o aporte prometido. "É bem difícil de entender aonde foi parar todo esse dinheiro. As empresas se instalaram com recursos próprios e todas estão sem receber, e consequentemente, sem pagar as terceirizadas e aos funcionários. Ninguém consegue receber. É uma conta que não fecha. E aonde foi parar todo esse dinheiro?", questiona.

A assessoria de imprensa do BNDES foi contatada e informou que "todas as operações contratadas com o BNDES estão no site do Banco (entre em BNDES Transparente). Porém, o Banco não informa desembolsos por empresas, capacidade de pagamento de beneficiário ou nível de endividamento. Essas são informações protegidas pela Lei de sigilo bancário." 

J.V. afirmou que as empresas Tracomal Terraplanagem, Grupo ARG, Coproffis Engenharia Consultoria e Formação, Lastra Mineração, Escavasul Terraplanagem, Rocha Eterna Transportes, Coobranorte, Pedreira Pronta Entrega, Construtora Avenida, essas três últimas de Campos, têm dívidas a receber.

A reportagem de O Diário tentou inúmeras vezes contato telefônico com as empresas Coobranorte, Pedreira Pronta Entrega e Construtora Avenida, mas não houve retorno das ligações.

Desencontro de informações oficiais

A assessoria da Prumo foi contactada e informou que "a Pedreira Sapucaia foi adquirida pela companhia em novembro de 2011. A pedreira tem 98 hectares de área e é operacional, estando com todas as licenças regulares". "Reforçamos ainda que o fornecimento de pedras através da Pedreira Sapucaia contribuiu de forma relevante para a construção do porto", informou a empresa. Um detalhe: embora a Prumo afirme que comprou a pedreira, não é o que consta no contrato social. 

Questionada sobre o funcionamento da pedreira, a Prumo informou que "com a conclusão das obras de infraestrutura básica do Porto do Açu, houve uma redução na utilização de pedras no empreendimento. "A Pedreira Sapucaia é operacional e pode fornecer pedras, se necessário", informou. 

A assessoria de imprensa do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) informou que a Pedreira Sapucaia Indústria e Comércio Ltda tem Licença de Operação (LO) regularizada. Contudo, documentos mostram que não existe alvará. O ex-funcionário revela outra situação. "Trata-se de um forte esquema de corrupção envolvendo pagamento de propinas a políticos, empresários, funcionários e agentes encarregados de fiscalizar os negócios do porto".

Efeito do Petrolão gera reflexos no empreendimento portuário 

O estremecimento das relações da Petrobrás com as empreiteiras chegou ao consórcio Integra Offshore, instalado no Terminal 2 do Porto do Açu. Formado por OSX e Mendes Junior, ele tem contrato para construir e integrar módulos de duas plataformas da estatal. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Campos, São João da Barra e Quissamã, desde o fim do ano passado, a Integra dispensou mais de 500 trabalhadores, mantendo apenas 150.

No Açu é possível ver o avanço das estruturas de uma das plataformas, mas o movimento de caminhões e pessoal no canteiro é fraco. Segundo fontes, houve protestos. A Integra confirmou que, em dezembro, "foram desmobilizados 122 colaboradores e mantidos no seu efetivo aproximadamente 540 pessoas".

A Mendes Junior é uma das 23 empresas que tiveram contratos futuros com a Petrobrás bloqueados por conta das denúncias da Operação Lava Jato.

Assalto: vítimas amarradas e suspeitos presos em Campos


AkcGF4zfTB4zVeEGPA2ss955Z7W4SnSy-AGa_ch4VlRvAqe22dRbZeOqDRPmiwdMkdV_-N_YffM76x_yP7yTdB0pAr-SxkAH__DaysYiujyAxrmfktVSIweQvEOIP41O1LiBgolTrês homens foram presos na noite desta quinta-feira (2) após um assalto a residência, em São Joaquim, distrito de Cardoso Moreira.
Após informações dando conta que um veículo Saveiro prata havia sido roubado e que os criminosos estariam seguindo em direção a Campos, foi montado um cerco na BR-356, próximo a antiga granja, no bairro Fundão. Ao observar a aproximação do veículo, os PMs realizaram a abordagem. No carro, estavam dois homens. Com um deles foi encontrada um revólver calibre 22 com seis munições intactas. Um outro veículo, um Gol vermelho que estava dando cobertura, fugiu. O suspeito abandonou o carro ainda no mesmo bairro. Após a fuga, o suspeito foi identificado como A.H.P.S. de 31 anos, e localizado. Ele contou aos PMs que teve seu carro roubado. Percebendo que as informações não seriam verdadeiras, encaminharam o suspeito para a delegacia, onde o mesmo foi reconhecido pela vítima. Posteriormente, o suspeito confessou a participação no assalto, informando que havia dispensado uma pistola, que foi encontrada em um matagal. Relatou que invadiram a residência e que as vítimas, um casal de idosos, foram amarrados no momento do crime.
Dentro do Gol foi encontrado ainda um rádio de comunicação na frequência da Polícia Militar do 8º BPM.
O caso foi registrado na 146ª DP/Guarus.

PF já calcula em R$ 19 bi o prejuízo da Petrobras


petrobrasA Polícia Federal reuniu elementos para apontar que o prejuízo gerado para a Petrobras pelo esquema de cartel, fraudes em licitações, desvios e corrupção alvos da Operação Lava Jato pode chegar a 20% do valor dos contratos. O porcentual é muito superior aos 3% referentes às propinas confessadas por delatores. Segundo a PF, o rombo no caixa da estatal petrolífera já chega a R$ 19 bilhões.
O delegado da Polícia Federal Igor Romário de Paulo, um dos coordenadores da equipe da Lava Jato, afirmou que essa coleta de elementos “pode levar um prejuízo à Petrobras em seus contratos da ordem de 15% a 20%”.
“Laudos de nossos peritos da área contábil e de engenharia que devem ser divulgados em breve derrubam a tese de que a corrupção nesses contratos era em torno de 2% a 3%. Provavelmente vamos chegar em patamares de 15% a 20% do valor dos contratos sendo destinados à corrupção”, afirmou o delegado nesta quinta-feira, 2.
A Lava Jato aponta até o momento um prejuízo de pelo menos R$ 6,2 bilhões para a Petrobras, valor reconhecido pela estatal em seu balanço.
“Aquele número do balanço da Petrobras é válido, mas conservador. Não temos dúvida de que os prejuízos são maiores que os R$ 6 bilhões lançados no balanço. Mas é quase impossível fazer essa mensuração porque há uma série de efeitos em toda a cadeia de licitação”, afirmou o procurador da República Carlos Fernando Santos Lima, da força-tarefa da Lava Jato.
Os procuradores da força-tarefa esperam recuperar espontaneamente R$ 1 bilhão até o fim deste ano, segundo avaliação de Carlos Lima. Até o momento já retornaram aos cofres públicos R$ 700 milhões – incluindo valores devolvidos pelos réus confessos.
O delegado Igor Romário explicou que peritos federais incluíram nos cálculos em fase final “não apenas porcentuais destinados a pagamentos de agentes públicos e políticos”. “Mas também prejuízos causados em favor das empresas contratadas através do sobrepreço dos contratos, seja por jogo de planilha, seja por inserção de despesas desnecessárias.”
Igor Romário de Paula explicou que os porcentuais de até 3% comunicados até aqui nas operações da Lava Jato tinham por base a informação dos delatores.
“Só que esses laudos que estão sendo concluídos estão considerando não só a corrupção destinada aos agentes públicos. Estão embutidos aí superfaturamento, jogo de planilhas, montagem de projetos destinados a favorecer as empresas.”
O levantamento em análise concentra alguns contratos investigados. Por isso, o valor total do rombo é muito maior, segundo avaliação dos investigadores.
O delegado da Lava Jato afirmou que assim que for concluído o laudo poderá ser melhor detalhado como as empresas, além de participarem de um cartel, que lhes garantia a divisão do mercado, também recebiam pagamento superior ao que era justificado para o contrato.
As denúncias envolvendo sobrepreço e fraudes em licitações ainda não integram o rol de acusações dos primeiros processos da Lava Jato. O Ministério Público Federal tem priorizado a divisão dos crimes em denúncias distintas, e concentrou as primeiras etapas nos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.
“Temos a impressão que nunca chegaremos a um número fechado. E, infelizmente, nunca vamos recuperar um número próximo a esse valor”, afirmou Igor Romário.