PLAYER 01 WEB RADIO TROPICAL

PLAYER 01 - AUXILIAR DA WEB RADIO TROPICAL

PLAYER PARA ANDROIDE E SAMARTFONA

PLAYER PARA ANDROID E SMARTFONE PARA OUVIR CLICK NO PLAY

terça-feira, 31 de maio de 2016

Qualidade das safras sofre com estiagem em Santa Leopoldina, ES


Fábio LinharesDa TV Gazeta
Os produtores rurais de Santa Leopoldina, região serrana do Espírito Santo, esperam por queda na produção. O Estado, que já decretou situação de emergência, enfrenta uma extensa crise hídrica. 
Na localidade de ponte de Nazaré, em Santa Leopoldina, a propriedade da família do Guilherme, 28 anos, tem 237 cabeças de gado, 50 pra produção de leite. O tempo seco dificulta a alimentação dos animais e faz com que o gado de corte não engorde e a produção do leite caía.
“O capim secou e a gente ainda faz o possível, compra silagem, faz silagem, busca até fora, em Santa Teresa, Santa Maria. A gente corre atrás para não deixar o animal passar necessidade” declara o produtor. 
Na propriedade do Everaldo Schumacker, em Ribeiro Limpo, os 23 hectares de plantação de café estão secos. A colheita, que antes durava dois meses, vai acabar em duas semanas. O reflexo da falta de chuva é visto nos grãos pequenos e de baixa qualidade.
“Não está um grão formado, as rosetas do café está pequena. Se não chover em 30 dias, o prejuízo será imenso para a safra de 2017, 2018. O café colhido está com uma péssima qualidade, dá para vender, mas com o preço inferior ao que se tem no mercado hoje”.
A estimativa do Instituto Capixaba de Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) é de que em todo município de Santa Leopoldina, a colheita de café deste ano seja a metade do previsto.
O técnico do Incaper, João Paulo Ramos, explica que a planta não formou e o café Conilon precisa formar em um ano para produzir no outro.
“Os produtores estão simplesmente colhendo o que tem e parando, porque agora chegou no inverno e a previsão é não ter chuva para molhar a terra e para encher os reservatórios. O que a gente está torcendo agora é para que chova para que as comunidades rurais não fiquem sem água para beber” diz João Paulo.
Na propriedade do Everaldo, dos dois mil pés de mexerica plantados o produtor não esperar colher nada. Na plantação de inhame, das mil sacas colhidas no ano passado, este ano devem render 150. “A mexerica não vai dar o tamanho para a comercialização, vai ser 100% de perda.
Diene Bremenkamp, engenheira agrônoma da prefeitura, aconselha para que quando vier a chuva, os produtores façam caixas secas para armazenar água.
A Prefeitura de Santa Leopoldina informou que está estudando a possibilidade de decretar estado de emergência por causa da seca.
Rio Santa Maria da Vitória
Muitos produtores do município não tem sistema de irrigação e contam com a chuva, que há três anos não vem na quantidade suficiente. O rio Santa Maria da Vitória, que corta o município, a água não está mais chegando na primeira régua de medição.
O presidente do Comitê da Bacia do Rio Santa Maria da Vitória, Roberto Ribeiro, explica que a vazão média histórica para essa época do ano no Rio Santa Maria é de mais de 10 mil litros por segundo. A situação é considerada crítica quando chega a 3.800 litros. A média atual é de 2900 litros por segundo.
Para o presidente do comitê da bacia do rio Santa Maria da Vitória faltam políticas públicas que resolvam o problema e que a cobrança pelo uso da água pode ser um caminho.
“A cobrança que pode ser implantada a partir deste ano, início do próximo ano, vem com um sentido educativo, que passa a dar um valor para a água que hoje ela não tem. A conscientização é mais importante que a arrecadação, mas vamos ter um montante de recurso, que o comitê, através de sua Agência de Bacia vai poder começar a desenvolver ações a longo prazo para a recuperação do manancial”, declara Roberto.

Polícia registra 80 casos de roubo de lona de outdoors neste ano no ES


Eliana GorritiDa TV Gazeta
As lonas de ‘outdoors’ foram objetos de assaltos na Grande Vitória. Neste ano, foram registrados cerca de 80 casos de painéis de propagandas furtadas. Cada lona custa em média R$ 600. Os empresários do ramo de publicidade e propaganda denunciaram o caso à polícia.
O Superintendente da Delegacia Especializada, Josemar Sperandio, explica que por conta de furtos realizados, os empresários  tinham não só um furto material, mas também pela quebra do contrato na distribuição de mídia do cliente deles.
"Para a polícia, quem compra pratica o crime de receptação, então recomentamos que as pessoas não comprem, porque quem for encontrado com essas lonas, poderá ser autuado".
Diante dos prejuízos, as empresas dos ‘outdoors’ decidiram investir em tecnologia e contrataram firmas especializadas em vigilância e rastreamento.
Com essas informações, a polícia chegou até uma das lonas roubadas, que foi encontrada van na Praia de Camburi, em Vitória. O dono da van, um comerciante, de 41 anos, foi conduzido a polícia para prestar depoimento e confessou que comprou a lona por R$ 20.
Lona de 'outdoor roubada é encontrada em Vitória, no ES (Foto: Reprodução/ Tv Gazeta)Lona de 'outdoor roubada é encontrada em Vitória, no ES (Foto: Reprodução/ Tv Gazeta)

Polícia do ES faz operação e cumpre 32 mandados de busca e apreensão


André FalcãoDa TV Gazeta
Polícia faz operação em Cobi de Cima e de Baixo, em Vila Velha (Foto: Roberto Pratti/ TV Gazeta)Polícia faz operação em Cobi de Cima e de Baixo, em Vila Velha (Foto: Roberto Pratti/ TV Gazeta)
Trinta e dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos nos bairros Cobi de Cima e Cobi de Baixo, em Vila Velha, na Grande Vitória, nesta terça-feira (31), durante uma operação da Secretaria de Estado de Segurança Pública do Espírito Santo (Sesp) contra o tráfico de drogas e comércio ilegal de armas de fogo.
Participaram da operação, que teve início às 5h, as polícias Civil e Militar. Os policiais cercaram e fecharam a subida dos dois bairros.
Os alvos dos policiais eram homens e mulheres ligados ao trafico de drogas em Vila Velha e Cariacica. De acordo com as investigações, foi encontrado o líder do grupo, que foi preso junto a outras 27 pessoas.
O titular da Delegacia de Crimes Contra a Vida (DCCV) de Cariacica, João Paulo Pinto, a operação começou a partir de um homicídio ocorrido no município.
“Comprovamos que esse crime tinha sido praticado por uma quadrilha de tráfico de drogas. A partir daí, a gente instaurou um inquérito policial exclusivamente para apurar a organização criminosa e o comércio ilegal de armas de fogo. Dentro desse inquérito, identificamos, a princípio, 34 pessoas e 46 residências utilizadas pela quadrilha. Solicitamos os mandados de prisão e de busca e apreensão, que cumprimos hoje”, explicou.
A polícia confirmou que 15 pessoas pertencentes ao grupo foram presas na operação. Alguns deles estavam sendo monitorados até pelo telefone, por meio de interceptações autorizadas pela Justiça.
Segundo a polícia, o grupo, além do tráfico de drogas, domina todos os crimes praticados na região. Os demais participantes do grupo que conseguiram fugir vão continuar sendo monitorados pela polícia. "Vamos continuar monitorando, a fim de que eles não retornem ao bairro", disse o delegado.
Entre os materiais apreendidos, foram aproximadamente 100kg em drogas, uma pistola nove milímetros austríaca e um carregador de munição usado em metralhadoras.
O grupo também ostentava uma vida luxuosa com o dinheiro do trafico. Motos e carros, sendo um deles avaliado em R$ 70 mil, foram apreendidos. A ação terminou por volta das 8h30.

Mãe que matou 2 filhos no ES tinha sinais de depressão, diz família


Elis CarvalhoDe A Gazeta
Adalmo Motta pai das duas crianças de 3 e 6 anos mortas pela mãe no Espírito Santo (Foto: Edson Chagas/A Gazeta)Adalmo Motta, pai das duas crianças de 3 e 6 anos mortas pela mãe, no Espírito Santo (Foto: Edson Chagas/A Gazeta)
Familiares da mulher que matou os dois filhos em Nova Carapina I, na Serra, na Grande Vitória contaram que ela apresentava sinais de depressão, mas ainda não havia procurado médico. Após matar os filhos, de 3 e 6 anos, Rosilda Moreira, de 30 anos, se matou.
Mulher matou os dois filhos e se matou na Serra, espírito Santo (Foto: Arquivo Pessoal)Mulher matou os dois filhos e se matou na Serra
(Foto: Arquivo Pessoal)
O crime, que aconteceu nesta segunda-feira (30), chocou parentes e amigos. As mais de cem pessoas que se reuniram no entorno da residência da dona de casa Rosilda Moreira pareciam não acreditar no que tinha acontecido.
Foi o marido de Rosilda, o ourives Adalmo Motta, que encontrou os três mortos dentro de casa. De acordo com a polícia, Adalmo, descobriu o crime por volta de 18h30, quando chegou em casa após o trabalho.
Último contato
O irmão do ourives, Adilson Motta, contou que Adalmo esteve com a família horas antes e contou que a mulher estava bem, sem demonstrar qualquer pista do que faria logo depois.
“Ele foi em casa às 14 horas para almoçar. Ele contou à mulher que havia ganhado alguns materiais de construção, o que ajudaria na obra da casa que eles estavam construindo. Ele disse que ela ficou feliz e que eles brincaram, que estava tudo bem”, contou Adilson.
Cena
Entre 14 horas e 18h30, o crime aconteceu. Ao chegar em casa, o marido de Rosilda encontrou um dos filhos desacordado na cama, com o rosto roxo.
Ele correu pela residência à procura da mulher e a encontrou morta no banheiro, enforcada com a corda da descarga do vaso sanitário. Já a outra criança, estava morta no box, também com o rosto roxo.
A polícia não informou qual das crianças estava na cama e qual estava no box. As vítimas foram identificadas como Artur Deric Moreira Motta, de 3 anos, e Amanda Moreira Motta, de 6. Segundo a perícia, as crianças tinham sinais de asfixia.
Mãe que matou os 2 filhos no ES tinha sinais de depressão, diz família (Foto: Arquivo Pessoal)Mãe que matou os 2 filhos tinha sinais de
depressão, diz família (Foto: Arquivo Pessoal)
Depressão
Um perito contou que, em conversa, o pai das crianças revelou que Rosilda passou a apresentar sinais de depressão há cerca de sete meses, após uma briga com ele.
Adalmo teria visto trocas de mensagens entre Rosilda e um rapaz que ela conheceu na escola onde fazia o segundo grau. Depois, ela abandonou os estudos e passou a ficar mais recolhida, sempre dizendo que carregava uma culpa e que o marido 'não merecia aquilo'.
O cunhado de Rosilda disse que ela mudou o comportamento. “Ela sempre foi muito bonita, alegre e brincalhona. Mas de uns meses pra cá ela mudou. Se recolheu, parou de conversar com as pessoas, de participar das reuniões em família... Nós sentimos isso. Parece que estavam procurando um médico. Mas ela não queria ir. A gente sabe que ela estava com depressão porque a gente conhece. Vimos a mudança dela", relatou Adilson.
Era visível como ela amava aquelas crianças. Mas, de uns meses pra cá, ela mudou. Passou a se trancar em casa, não queria conversa com ninguém
Vizinha do casal
Surpresa
A avenida Belo Horizonte, em Nova Carapina I, ficou lotada ontem após a revelação de que as duas crianças haviam sido mortas pela mãe. Para os vizinhos, o caso foi uma surpresa  .
De acordo com uma vizinha, que preferiu não se identificar, Rosi, como era conhecida, sempre se mostrou uma boa mãe.
“Era visível como ela amava aquelas crianças. Mas, de uns meses pra cá, ela mudou. Passou a se trancar em casa, não queria conversa com ninguém. Emagreceu. O marido dela procurou um médico, mas ela rasgou o papel de encaminhamento e disse que não queria ir”.
Outra vizinha, que também não quis se identificar, contou como foi a reação do marido ao chegar na residência.
“Ele tirou a criança que estava no box e a colocou na cama, tentou reanimar as duas. Mas elas já estavam mortas. Também tentaram reanimar a Rosi, mas já era tarde. Estamos assustados e surpresos com tudo. Nunca imaginei que ela poderia fazer isso. Queria voltar no tempo para ajudá-la”, lamentou.
Mãe carinhosa
Abalado e tentando consolar o irmão, Adilson Motta contou como era a vida de Rosilda com Adalmo. "Era carinhosa, atenciosa, normal. Não posso falar nada de ruim dela porque ela sempre foi boa pessoa. Ela nunca havia tentado fazer isso antes, por isso estamos todos tão surpresos. A gente nunca imaginou passar por isso”, relatou.

Mulheres assaltam loja e agridem funcionária grávida no ES; vídeo


Juirana NobresDo G1 ES
Duas mulheres assaltaram um loja de roupas fitness, nesta segunda-feira (30), em Jardim Camburi, em Vitória, e agrediram uma funcionária grávida de seis meses. As câmeras de videomonitoramento do estabelecimento registraram a ação. 
O vídeo da loja mostra o momento em que as dupla imobiliza a funcionária Bruna Fidalgo, de 21 anos, que está sentada em um banco, atrás do balcão de atendimento.
Em seguida, uma mulher dá socos nas costas da grávida e a leva para o banheiro no fundo da loja.
O proprietário Douglas Borges disse que as mulheres fugiram em uma bicicleta, pelas ruas de Jardim Camburi, na capital.
“Elas entraram na loja e se passaram por clientes. Foram atendidas normalmente pela minha funcionária. Elas disseram que não gostaram de nada e já iam saindo. Bruna se sentou, as duas voltaram e anunciaram o assalto. Disseram perdeu e mandaram ela não reagir”, disse.
Mulheres assaltam loja e agridem funcionária grávida no Espírito Santo; vídeo (Foto: VC no ESTV)Mulheres assaltam loja e agridem funcionária
grávida no Espírito Santo (Foto: VC no ESTV)
O roubo durou seis minutos. “Elas entraram às 15h20 e fugiram de bicicleta às 15h26. Elas roubaram o celular da funcionária, seis peças de roupa e R$ 40 do fundo de caixa. O prejuízo financeiro foi pequeno, a questão é o psicológico. Bruna está grávida de seis meses, embora não pareça por ser magrinha. É uma fase delicada da gestação e passou por isso é complicado”, disse Douglas que tem a loja no local há dois anos.
Polícia
Douglas disse que a polícia chegou rápido, mas não conseguiram localizar a dupla. Ele disse que entregou as imagens do assalto na delegacia do bairro.
A Polícia Militar informou que foi ao local após o acionamento via 190, realizou buscas na região, mas não localizou as duas mulheres que eram as suspeitas de terem praticado o crime.